Crónicas de um Sem Nome

Parte 1

Ela tem uma beleza exótica. A são-tomense que provoca lágrimas de saudade na expressão facial do são-tomense que por agora se chama Sem Nome. 1m72 é a altura dessa menina que vai evoluindo para uma jovem de 21 anos, seguidora de um grupo grandioso de pessoas que odeiam a leitura, o estudo, mas que conseguiu com a sua infinita alegria africana e intelectualmente diferente, arrebatar o coração, o cérebro, o estômago, o fígado e todo o resto físico-mental desse “santolense” pouco descrito acima. Uma gaja de se tirar o fôlego, sedutora até nos instantes que tem atitudes de “pleste” perante alguns dos seus familiares e supostas amigas que sentem inveja da sua belezura corporal.

Um estudante aplicado que conseguiu, esforçadamente e tardiamente, ausentar-se do país, para prosseguir a sua carreira académica numa certa universidade materializada em terreno brasileiro, cuja aplicabilidade em Ciências Contábeis se achava inaplicável naquelas ilhas ricas, mas ainda com dificuldades rijas. “Quando voltar, quero ser alguém importante e útil na minha comunidade” essa é uma das falas que ele várias vezes utilizou na sala de aulas e nos corredores da faculdade. Havendo dias em que o próprio duvidava da veracidade dessa afirmação. Pois nem sempre existe vontade de enaltecer uma pátria que fornece “desvontade”, a cada notícia infeliz que paira nos seus olhos e orelhas. A esperança apenas existe quando bem alimentada, caso não, ela é pequena demais pra ser chamada de esperança.

Este pensamento (assim como outros que não precisam ser descritos agora) povoava dentro da mente enquanto ele preparava um comentário no Facebook bem criativo e poético – sim, ás vezes ele escreve poesias facebookianas-, para a sua amada que se encontra a enormes quilómetros de distância. Aquela foto merecia ser comentada (na verdade, todas as fotos e publicações dela) porque é necessário “marcar terreno” contra as ameaças que poderiam se desenvolver no seio do bonito relacionamento á distância. Juras de amor não devem ser poupadas. O medo de perdê-la para um bandido qualquer, de ser chamado de cornudo, de sentir um ciúme cego e descontrolado diante dos outros, parecia embebedar de fervilhamentos todos os milímetros desta paixão. Apesar de ser conhecedor da ideia que diz que o “enamoramento” não deve estar sobre os auspícios do egoísmo e da possessividade, o seu espírito taurino gostava de desconhecer esta razoabilidade. “Foda-se ela tem que ser minha, e só minha”, tartamudeava com segurança mesmo quando conseguia traí-la “pensantemente” ao imaginar-se sozinho com uma brasileira podre de gostosa.

No entanto, houve um dia em que a resistência foi pela grota abaixo. Deixou-se levar pela cadência sexual e corporal duma tal de Rayanne, numa memorável balada na residência dum amigo, consumando a traição antes imaginada e sonhada. Desconhecendo ele, que naquele preciso momento, aquela são-tomense de beleza exótica que lhe provocava muitas lágrimas de saudade, coincidentemente entrou num Range Rover pertencente a um fulano alto, negro acinzentado de nome Rodolfo, que estava de férias em São Tomé, a procura de tchilamento e curtição. Os dois foram fazer algo de similar ao que ia sendo feito pelo Sem Nome e a Rayanne, numa casa de praia da família do Rodolfo que fica na Praia das Conchas. Duas cenas quentes, com gemidos e treme-tremes, em cenários diferentes, mais ou menos ao mesmo tempo, típico de uma novela brasileira, mexicana e o escambau.

Assim que terminou de depositar um gosto, e um comentário poético na foto em que ela aparece na praia (ele foi identificado nessa postagem, que se intitulava: Pa mê grande amor Sem Nome) de óculos escuros, com um calçãozinho rosa pequenino, uma blusa também rosa e cheia de desenhos indescritíveis, acompanhada com uma garrafa de cerveja Nacional na mão direita, e pose tipicamente alegre de jovem despreocupada. O Sem Nome sentiu uma mistura de dever cumprido e tranquilidade espiritual, que brevemente e devido aos acontecimentos não relatados entre eles, iria provocar uma espécie de caos sentimental de proporções rocambolescas.

Uma ideia sobre “Crónicas de um Sem Nome

  1. Eunice Adilina de o

    Gostei do texto, os amores sempre despertam fantasia que o faz intocavel porém a realidade pode proporcionar outras experiencias mas nada que desconstrua este sentimento quando é verdadeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *